Queimando o meio
2 de março de 2017
Luiz Artur Ferraretto


Há uma palavra sendo perigosamente utilizada por várias emissoras de rádio no Brasil. Trata-se de “reposicionamento”. A rádio troca o slogan. Lá vem a informação de que está se reposicionando. A rádio altera o horário de uma ou outra atração. Aparece a dita cuja de novo. Um programa é lançado no lugar de outro. Mais uma vez, alguém exclama: “Reposicionamento!”.

De fato, sem mudar o formato da programação e sem alterar o segmento para o qual esta emissora se volta, não existe reposicionamento algum. A rádio, ilusoriamente, usa a palavra para chamar a atenção das agências e dos anunciantes. Nem dos ouvintes se trata, já que estes fogem de palavrório vazio como o diabo da cruz.

Neste processo, o rádio como meio vai se prejudicando. As agências e os anunciantes, ao se darem conta de que o tal re-po-si-cio-na-men-to é mais do mesmo, tendem a olhar atravessado para futuras ofertas, mesmo que consistentes, de conteúdo radiofônico, queimando, no somatório, o meio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário