2002 e 2006: duas copas e quatro rádios
2016
Luiz Artur Ferraretto

Cartaz da Copa do Mundo de 2002

Cartaz da Copa do Mundo de 2006

No Rio Grande do Sul, a consolidação da Gaúcha como líder do segmento de radiojornalismo desde meados da década de 1980 não chega a significar nem um marasmo, nem uma falta de concorrência na cobertura das copas do mundo após a do México, em 1986. O dado novo e mais significativo vem em 2002, quando a Rede Pampa banca também a ida de seus profissionais aos campos da Coréia do Sul e do Japão, fato repetido na Alemanha. Na Europa, em 2006, uma equipe da Bandeirantes de Porto Alegre aumentou para quatro as opções dos ouvintes do Sul do país em termos de cobertura com uma cor local no rádio, embora ainda a reboque da matriz paulistana do grupo. Com o aumento absurdo dos custos pelos direitos de transmissão, esta pluralidade de alternativas iria ficar no passado.

Em março de 1999, a Pampa AM, do empresário Otávio Dumit Gadret, havia lançado uma nova programação jornalística, baseada em entrevistas diversas, noticiários esportivos e transmissão de jogos de futebol. O reposicionamento da emissora foi um resultado direto da contratação de Paulo Sérgio Pinto para a vice-presidência do grupo. Roberto Brauner assumiu, na época, a Gerência de Jornalismo e Esporte. Meses depois, no dia 1º de outubro, a rádio passava a dedicar 90% do seu tempo ao futebol, com aberturas eventuais para outras modalidades, em uma experiência que se estenderia até dezembro de 2002, sem abandonar, posteriormente, a cobertura esportiva. Durante a Copa do Mundo realizada na Coréia do Sul e no Japão, a Pampa AM é, assim, uma das três emissoras do estado a enviar equipe e irradiar as partidas – as outras são a Gaúcha e a Guaíba –, chegando a liderar uma cadeia com cinco dezenas de estações.

Anúncio da Rádio Pampa AM (junho de 2002)
Fonte: O Sul, Porto Alegre, 7 jul. 2002. p. 9.

Outro destaque, na Copa de 2002, quase toda ocorrida durante a madrugada, pelo horário brasileiro, é o personagem criado pelos publicitários Marcelo Pires e Cado Bottega, da agência de propaganda Upper, para a Rede Brasil Sul. No ritmo da competição acompanhada por torcedores insones, uma coruja aparece em todos os anúncios nos vários veículos da RBS e se torna muito popular, em especial, junto às crianças.

 Coruja rumo ao penta (2002)
Fonte: RÁDIO GAÚCHA. É penta! Porto Alegre: 2002. CD.

Em 2002, a Rádio Guaíba, por sua vez, apelou para Hermes Aquino, destacando o fato da emissora ser a única presente em todas as conquistas da Seleção Brasileira.

Guaíba pentacampeã (2002)
Fonte: RÁDIO GUAÍBA. Brasil pentacampeão. Porto Alegre: 2002. CD.

Cabe lembrar, ainda, que a Bandeirantes de Porto Alegre, desde os anos 1980, em grandes jogos internacionais, tende a reproduzir o áudio gerado pela matriz do grupo, da cidade de São Paulo, procurando complementar as informações com programas gerados na capital gaúcha. No entanto, em 2006, na Alemanha, o investimento ampliou-se. Uma equipe da Band AM 640 kHz acompanhou uma Copa do Mundo, embora as transmissões dos jogos tenham sido lideradas, ainda, pela Rede Bandeirantes de Rádio. Viajaram o narrador Daniel Oliveira, o comentarista Cláudio Cabral e os repórteres Alexandre Praetzel e Ribeiro Neto, cobrindo treinos e oferecendo informações antes e depois das partidas.

Relembre a final da Copa do Mundo de 2002, com a vitória por 2 a 0 sobre a Alemanha, nas narrações da Gaúcha e da Guaíba. E esqueça desastres posteriores,

Compacto da final da Copa do Mundo com a equipe da Rádio Gaúcha (30 de junho de 2002)
Fonte: RÁDIO GAÚCHA. É penta! Porto Alegre: 2002. CD.

Compacto da final da Copa do Mundo com a equipe da Rádio Guaíba (30 de junho de 2002)
Fonte: RÁDIO GUAÍBA. Brasil pentacampeão. Porto Alegre: 2002. CD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário