Paixão Côrtes, Darcy Fagundes e o Grande Rodeio Coringa
2013
Luiz Artur Ferraretto

O rádio dá continuidade e ajuda a ampliar o processo iniciado no Grêmio Estudantil do Colégio Júlio de Castilhos, em 1947, e do qual Paixão Côrtes constitui-se em protagonista destacado, tanto que, ao fundar o 35 Centro de Tradições Gaúchas, com 23 companheiros, torna-se o seu primeiro patrão. O surgimento desta entidade pioneira serve de marco institucional do movimento tradicionalista, já tão forte, em meados da década de 1950, que, pouco antes da estreia do Grande Rodeio Coringa, os Tropeiros da Tradição participam da primeira demonstração pública de televisão do Rio Grande do Sul, organizada no Clube do Comércio, onde um dos salões serve de estúdio a partir do qual chegam imagens e sons a vários monitores instalados em frente ao prédio, na Praça da Alfândega.

Paixão Côrtes e os Tropeiros da Tradição na primeira demonstração pública de televisão do Rio Grande do Sul (1955)
Fonte: Revista TV, Porto Alegre, ano 1, p. 19, maio 1955.

Não é de se estranhar, portanto, o sucesso do Grande Rodeio Coringa com Paixão Côrtes, “o tropeiro da tradição”, e Darcy Fagundes, “o seu peão amigo”. Com o tempo, a expressão “peão amigo” dá lugar a “o gaúcho vaqueano do rádio”, sugestão do próprio Darcy Fagundes, que, de coadjuvante, passa a conduzir o programa, quando Paixão Côrtes deixa a Farroupilha. Então, para dividir a apresentação, convida primeiro Dimas Costa, como ele oriundo do cast da PRH-2, e, com a saída do “xiru divertido”, Luiz Menezes, que permanece até 1960. Se há alterações nos animadores, pouco muda em termos de conteúdo, atestando a consolidação do tradicionalismo por meio das ondas do rádio, como registra a Revista TV:

Dividido em cinco invernadas – Duplas ou trios, Poetas ou declamadores, Humorismo, Músicos e Trovadores –, o Grande Rodeio Coringa tem sido sintonia obrigatória de quantos admiram e cultivam o nosso regionalismo. O auditório da Rádio Farroupilha sempre superlotado, os rádios ligados, não só na capital, mas, principalmente, no interior do estado, são provas alentadoras. Se, por um lado, os centros de tradições destinam-se ao culto da tradição, realizando um movimento vivo na difusão das nossas cousas, programas como o Grande Rodeio Coringa têm um alto significado.

Além dos integrantes dos diversos CTGs em formação no estado, fazem sucesso no programa as músicas de Os Gaudérios e do Conjunto Farroupilha, as trovas de Gildo de Freitas e o humor de Pinguinho e Walter Broda. As próprias trocas no comando do Grande Rodeio Coringa não ocorrem devido a problemas. Mais do que isto, comprovam o bom desempenho do tradicionalismo radiofônico e a concorrência estabelecida, a partir do segundo semestre de 1957, com a Gaúcha. No auditório do Edifício União, Paixão Côrtes, atendendo convite de Maurício Sobrinho, apresenta Festança na Querência, motivo da transferência também de Dimas Costa. É o “xiru divertido” que comanda, ainda, outras quatro atrações da PRC-2, várias delas em estúdio, para onde, cada vez mais, com a decadência do espetáculo radiofônico, começa a migrar também o regionalismo.

Darcy Fagundes e Dimas Costa no Grande Rodeio Coringa (1957)
Fonte: Revista TV, Porto Alegre, ano 3, out. 1957. p. 29.


Darcy Fagundes e Luiz Menezes no Grande Rodeio Coringa (final dos anos 1950)
Fonte: MANN, Henrique. Som do Sul: a história da música do Rio Grande do Sul no século XX. Porto Alegre: Tchê, 2002. p. 38.

Darcy Fagundes e Luiz Menezes revivem o Grande Rodeiro Coringa (1977)
Entrevista realizada por José Antônio Daudt para o programa Opinião Pública, da Rádio Difusora Porto-alegrense, transmitido em 26 de setembro de 1977.
Fonte: Acervo do Museu de Comunicação Hipólito José da Costa.

4 comentários:

  1. Excelente registro, embora breve, anota o essencial, registrando a presença de profissionais que muito fizeram para o engrandecimento da cultura de raiz gauchesca neste Rio Grande do Sul. Paixão Cortes e Darcy Fagundes haviam sido colegas no Instituto união de Uruguaiana, na década de 40 e reencontraram-se em Porto Alegre, já nos anos 50. O uruguaianense Darcy Fagundes completaria 90 anos no dia 15/12/2015.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário e pelas informações. Um grande abraço.

      Excluir
    2. QUEM NÃO SENTE SAUDADES DESTES MOMENTOS...DE DARCY FAGUNDES, LUIZ MENEZES, DIMAS COSTA...ENFIM REFIRO-ME A ESTE TEMPO, QUE EU GOSTARIA DE SER DESTA ÉPOCA...DE OURO DO RÁDIO GAÚCHO!

      Excluir
    3. Pegar a máquina do tempo e dar uma chegadinha no auditório dos Associados seria mesmo o máximo.

      Excluir