Exemplos do “Som nosso de cada dia”
2014
Luiz Artur Ferraretto

A turma jovem da cidade. Na Galeria Moinhos de Vento, “butiques cheias de bossa” e “lanchonetes com mil sanduíches diferentes” para “uma patota descontraída e muito ligada nas cores e na música pop”. O “espetáculo inesquecível para quem curte a natureza” do pôr do sol no Guaíba, ainda considerado rio e bem menos poluído do que hoje. Na noite, uma esticada na boate Whisky a Go-Go, aquela “que tem o melhor som da cidade” e, nas calçadas da avenida Independência, a turma “em clima de festa, com suas motos envenenadas e roupas coloridas”. O quente são os bares da praia de Ipanema, em especial o Bonde e o Bologna. A “rua mais curtida” é a da Praia, “ponto de encontro dos magrinhos, sinônimo gaúcho de bicho”. Assim, a revista Geração Pop, uma espécie – do ponto de vista da mídia – de porta-voz impresso da juventude brasileira, define Porto Alegre para o resto do país em maio de 1974. Se o tom da Pop, como a “turma” ou a “patota” apelida a revista, inclina-se para uma certa euforia consumista no ritmo do Milagre Econômico Brasileiro, o do Brasil grande, que só existe nas estatísticas oficiais, o mesmo não acontece com a programação da Continental, destoando, inclusive, do notório alinhamento da sua matriz – as Organizações Globo – ao governo militar. Portanto, é muito difícil reproduzir o impacto da 1.120 junto ao seu público.

Esta perspectiva fica clara nestas mensagens de fim de ano veiculadas em dezembro de 1976 e janeiro de 1977, provando que os tempos não são para sorrisos fáceis e permanentes:

Spot de final de ano da Rádio Continental(1976)
Transcrito do áudio original.
Fonte: Acervo particular de Francisco Anele Filho.


Spot de final de ano da Rádio Continental (1976)
Fonte: Acervo particular de Francisco Anele Filho.


Spot de Natal da Rádio Continental e do Saco & Cuecão (1976)
Transcrito do áudio original.
Fonte: Acervo particular de Francisco Anele Filho.


Spot de Natal da Rádio Continental e do Saco & Cuecão (1976)
Fonte: Acervo particular de Francisco Anele Filho.


Bom, depois de ouvir estes dois áudios de primeiríssima qualidade, para chegar ainda mais perto da sensação dos ouvintes da época, você pode ouvir web rádio-homenagem montada pelo jornalista Lucio Haeser, também autor do livro Continental – A rádio rebelde de Roberto Marinho, publicado em 2007 pela Insular, de Florianópolis, que vem com um CD com documentos sonoros da 1.120. Basta clicar aqui em baixo (imagem):

http://www.continental1120.org/

Nenhum comentário:

Postar um comentário