Entrevistador não pode ser antagonista do entrevistado
29 de janeiro de 2016
Luiz Artur Ferraretto



Do meu livro Rádio - Teoria e Prática (p. 182), a respeito da entrevista:

(6) Ao entrevistador, cabe o papel de condutor deste contato pessoal com a fonte. Em nenhum momento, a opinião do jornalista ou radialista vai se impor à do entrevistado, sobre quem se concentra o foco de interesse do público. [...]
(7) Frente a qualquer entrevistado seja respeitoso e cordial, nunca subserviente ou agressivo. Deixe o papel de investigar para as perguntas que você faz, não para alguma possível autoridade sua sobre a fonte.

Explicando:
Jornalista e/ou radialista é intermediário. Jamais pode se tornar antagonista, protagonista ou propagandista de quem é entrevistado. Fora evidentes problemas éticos, trata-se de assumir uma postura sem relação com a profissão em si. Em outras palavras, o verdadeiro comunicador não se coloca como o adversário do entrevistado, como alguém mais importante do que este ou - pior ainda - como seu apoiador. Quando, no sentido político do termo, se torna propagandista, deixa de lado o interesse do ouvinte. Passa a defender os da pretensa fonte e, com certeza, ao bajular esse entrevistado, tem lá seus interesses pessoais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário