A Guaíba e a cobertura da inauguração de Brasília
2013
Luiz Artur Ferraretto

Em abril de 1960, o microfone da Guaíba está presente na inauguração de Brasília. A cobertura demonstra as dificuldades de transporte e telecomunicações da época, vencidas por um transmissor de single side band, tecnologia que a emissora havia incorporado após o sucesso verificado nas irradiações da Suécia durante a Copa do Mundo 1958.

No caso da cobertura em Brasília, a primeira dificuldade a superar é, então, a distância entre a nova capital e o Sul do país. Até São Paulo, a equipe da rádio desloca-se de avião. De lá até o destino final – 1.280 km de estrada, dos quais 250 de chão batido – utilizam uma Kombi. No Planalto Central, há que localizar um terreno de 280 por 160 metros, adequado à instalação das antenas rômbicas, posicionadas, com o auxílio de uma bússola, de modo a direcionar o sinal para Porto Alegre. Utilizando uma área próxima da torre da Rádio Nacional, emissora que cede a energia elétrica para a Guaíba, quatro mastros de eucalipto com 11 metros de altura são colocados formando um losango: 240 metros de fio de cobre nos lados maiores, 160 nos menores, raspados e emendados com solda a cada 10. Junto com a instalação de um pesado transmissor de SSB, o trabalho em seu conjunto consome parte da madrugada e do dia seguinte.

Na sequência, dada a inexistência de linhas telefônicas para efetivamente irradiar as cerimônias, o jornalista Jorge Alberto Mendes Ribeiro, com o apoio dos técnicos Alcides Krebs e Bruno Steiger, sustenta as transmissões ao microfone no improvisado estúdio junto às antenas, a 15 km do Eixo Monumental, fazendo a escuta da Tupi e Nacional. A artimanha envolve o restante da equipe, formada por Amir Domingues, Pedro Carneiro Pereira e Petrônio Cabral. Dando mais credibilidade ao seu posto volante, Amir Domingues chega a se deslocar entre o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Brasília Palace Hotel, gravando entrevistas de tal modo que, ao serem colocadas no ar, pareçam irradiadas ao vivo. Revelado somente anos mais tarde, o embuste passa despercebido e acaba por aumentar o prestígio já crescente da rádio.


Flávio Alcaraz Gomes entrevista Amir Domingues e Jorge Alberto Mendes Ribeiro (4 de maio de 1997)
Trecho do programa Fórum alusivo aos 40 anos da Rádio Guaíba.
Fonte: TV2 GUAÍBA. Fórum. Porto Alegre, 4 maio 1997. Programa de televisão.

2 comentários:

  1. Sou um apaixonado pelo rádio. Desde os estudos sobre Landell de Moura, construção de minha galena nos anos 1980, minha licença de radioamador (PY3KLM), até minha formação na FEPLAM e registro profissional como radialista. Tenho me dedicado pouco ao ofício mas quero neste espaço saudar este trabalho maravilhoso que o professor Ferraretto vem fazendo sobre a História do Rádio. Parabéns, continue!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Roberto, agradecemos pelo comentário. Sua mensagem serve de incentivo para a gente ir em frente.

      Excluir