Atualidade, jornalismo nas manhãs da Gaúcha
2014
Luiz Artur Ferraretto

Anúncio do programa Atualidade (agosto de 1977)
Fonte: Zero Hora, Porto Alegre, 1º ago. 1977. p. 3.

No dia 1º de agosto de 1977, às 8h, a Gaúcha lança o programa Atualidade, baseado nos bons resultados obtidos pelo Sala de Redação e pelo próprio Agora, de quem a nova atração matutina da emissora pretende ser concorrente. Enquanto, na Guaíba, a tônica do horário é dada pelos correspondentes internacionais, a Rede Brasil Sul opta por centrar o foco nas questões do estado e do país. Até 1992, Jorge Alberto Mendes Ribeiro conduz o Atualidade, intercalando opiniões às entrevistas e reportagens. Ao longo deste período de 15 anos, a trajetória do apresentador é marcada pela defesa do salário mínimo unificado, de aposentadorias e pensões dignas, da contribuição sindical voluntária e do ensino superior público e gratuito, posições explicitadas também em espaços diários de outros veículos da RBS – uma coluna em Zero Hora e um comentário na RBS TV. Todos estes elementos vão garantir o maior número de votos – 325.497 – entre todos os deputados federais eleitos para a Assembleia Nacional Constituinte em 1986. A defesa, ao microfone, dos associados do Montepio da Família Militar exemplifica a atuação do jornalista nesta época. Durante um debate no estúdio da rádio, no dia 6 de março daquele ano, Mendes Ribeiro investe contra irregularidades na instituição, chegando a ser agredido pelo coronel reformado Hélio Prates da Silveira, ex-presidente do MFM, ao comparar os Cr$ 15 milhões do contracheque do militar com os Cr$ 300 mil pagos às viúvas e pensionistas.

Ao se reeleger em 1990, então como o deputado federal mais votado pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro em todo o país, Mendes Ribeiro começa a almejar a candidatura ao governo do estado, o que vai de encontro à nova postura oficial da Rede Brasil Sul anunciada na época: comunicadores que optassem pela carreira política devem a partir de então deixar a empresa. O jornalista transfere-se, assim, em julho de 1992, para o Sistema Guaíba-Correio do Povo. Em seu lugar, com o programa sofrendo uma leve mudança na denominação – Gaúcha Atualidade –, a direção da Rede Brasil Sul coloca como apresentadores, a partir de 9 de agosto daquele ano, Armindo Antônio Ranzolin, no estúdio da emissora em Porto Alegre, e Ana Amélia Lemos, no de Brasília, além de incluir três comentaristas fixos: Augusto Nunes, diretor de redação do jornal Zero Hora; Fernando Gabeira, deputado federal pelo Partido do Trabalhadores carioca; e Flávio Tavares, correspondente da RBS em Buenos Aires. 



Programa Atualidade (1º de agosto de 2002)
Armindo Antônio Ranzolin relembra os tempos de Jorge Alberto Mendes Ribeiro com a abertura de um programa de 10 de outubro de 1990.
Fonte: RÁDIO GAÚCHA AM. Gaúcha Atualidade, Porto Alegre: 1º de agosto de 2002. Programa de rádio.



Programa Gaúcha Atualidade (1º de agosto de 2002)
Abertura do programa com Armindo Antônio Ranzolin.
Fonte: RÁDIO GAÚCHA AM. Gaúcha Atualidade, Porto Alegre: 1º de agosto de 2002. Programa de rádio.



Programa Gaúcha Atualidade (1º de agosto de 2002)
Nelson Sirotsky, então presidente do Grupo RBS, relembra o início do programa.
Fonte: RÁDIO GAÚCHA AM. Gaúcha Atualidade, Porto Alegre: 1º de agosto de 2002. Programa de rádio.




Programa Gaúcha Atualidade (1º de agosto de 2002)
Nelson Sirotsky relembra as alterações no programa após a saída de Mendes Ribeiro.
Fonte: RÁDIO GAÚCHA AM. Gaúcha Atualidade, Porto Alegre: 1º de agosto de 2002. Programa de rádio.



Programa Gaúcha Atualidade (1º de agosto de 2002)
Coberturas e participações históricas do programa Gaúcha Atualidade.
Fonte: RÁDIO GAÚCHA AM. Gaúcha Atualidade, Porto Alegre: 1º de agosto de 2002. Programa de rádio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário