Guerrilheiros da Notícia: o clube inglês de Flávio Alcaraz Gomes
2008

Por uma questão pessoal – a saudade do Flávio, figura muito querida –, mantive o texto original, inicialmente publicado no Caros Ouvintes – http://www.carosouvintes.org.br.
Luiz Artur Ferraretto

Flávio Alcaraz Gomes no comando do Guerrilheiros da Notícia (2006)
Fonte: Acervo particular.

O jornalista Flávio Alcaraz Gomes gosta de lembrar os tempos em que a redação do jornal Correio do Povo, na esquina da Caldas Júnior com Andradas, era como um clube inglês, um local de conversas, de baforadas de cigarros, de olhares partindo dos balcões do velho prédio para a Rua da Praia, no centro da capital dos gaúchos, por vezes, gerando um ou outro flerte, quase platônico ou talvez homérico. Tudo em meio ao matraquear das máquinas de datilografia. Textos brilhantes surgindo de dedos ágeis. Os tempos passaram, os cigarros e os cinzeiros foram banidos, uma ou outra garrafinha de uísque sumiu das gavetas, o flerte perdeu sutileza em meio aos terminais de computadores e se impôs um silêncio e uma assepsia hospitalares. Pois talvez por esta saudade danada – Mario Quintana a um canto, Alcides Gonzaga em outro nas salas amadeiradas da memória –, o Flávio um dia resolveu criar a reprodução eletrônica deste ambiente de antanho. E inventou o programa Flávio Alcaraz Gomes e os Guerrilheiros da Notícia. Primeiro na TV e depois no rádio.

Pelo espaço do programa, desfilam convidados de opiniões convergentes e divergentes, parecendo haver certa mistura de curiosidade, inteligência e racionalidade com pitadas idênticas, por vezes – ora vejam só! –, de senso comum, um tantinho de burrice e emotividade carregada. À sua mão direita, está quase sempre Antônio Carlos Baldi, e tantos outros. À esquerda, Omar Ferri e também tantos outros. Os dois, no entanto, são, de fato, os mais estridentes do clube inglês do Flávio, sem fleuma, diga-se de passagem, e com, para alguns, até excesso de entusiasmo. E passam por ali políticos – gente do PDT, do PMDB, do PT, do PCdoB, do DEM e de tantas siglas –, economistas, advogados, professores, figuras conhecidas de sempre e os desconhecidos que o Flávio vai popularizando.

Vez por outra, o Flávio relembra caminhadas pela Porto Alegre da infância nos anos da Segunda Guerra ou pela Paris dos anos 1950, reportagens e mais reportagens de fatos que, dos jornais, ganharam as páginas dos livros de história. E quando dá uma louca no Flávio? Do alto de seus 81 anos completados neste 25 de maio, solta um palavrão discreto, canta um jingle dos tempos de ouro do rádio e até declama poesias, explorando prodigiosa memória. De segunda a sexta, na Rádio Pampa, das 8 às 9h, ou na TV Pampa, das 13 às 14h, lá estão ele e o seu clube inglês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário