Paulo Sérgio Pinto e a equipe de esportes da Rádio Pampa
2015
Luiz Artur Ferraretto

Anúncio da Rádio Pampa (março de 1999)
Fonte: DIA 16 estreia a nossa nova programação. Zero Hora, Porto Alegre, 14 mar. 1999. p. 41. Anúncio.

De 1999 a 2007, a Rádio Pampa deixou sua marca na cobertura esportiva do Rio Grande do Sul, ensaiando, inclusive, o formato que outra emissora do grupo controlado por Otávio Dumit Gadret – a Grenal – adotaria anos mais tarde. O processo começa com a ida de Paulo Sérgio Pinto, ex-gerente comercial da Empresa Jornalística Caldas Júnior, que assume a vice-presidência da Rede Pampa de Comunicação em janeiro de 1999. É dele a iniciativa repassada à direção da empresa, que, dando apoio ao projeto, contrata Roberto Brauner, um dos mais talentosos narradores esportivos do estado, como gerente de Esportes e Jornalismo da emissora. A equipe, ao longo do tempo, vai incluir outros profissionais de destaque, como Antônio Augusto, Darci Filho, Denis Olinto, Haroldo Santos, Renato Marsiglia, Ricardo Vidarte e Rogério Amaral. A Pampa busca ainda valorizar radialistas do interior gaúcho, como o narrador Castro Júnior, trazido do rádio de Cachoeira do Sul, e descobrir novos profissionais, caso do então estudante de Jornalismo Luís Magno.

Anúncio com a equipe de esportes da Rádio Pampa (março de 1999)
Fonte: SÓ tem fera! Zero Hora, Porto Alegre, 7 mar. 1999. p. 37. Anúncio.

Assim, no dia 16 de março de 1999, a programação da Pampa AM altera-se, mas, embora o foco principal seja a cobertura esportiva, ainda inclui outros programas. Em 1º de outubro, passa a dedicar 90% das suas transmissões ao esporte, com destaque, obviamente, para o Grêmio e o Internacional, adotando o slogan “A número um do futebol”. Aproveita, de início, uma parceria com a Jovem Pan AM, de São Paulo, para a veiculação de alguns conteúdos, o que se reflete em algumas vinhetas utilizadas. Na época, os principais programas são:

Tribuna Popular
Da 0 às 2h, de segunda a sábado.
Apresentação de Altair Venzon, no qual os ouvintes fazem consultas na área de direito.

Jovem Pan e Pampa na Madrugada
Das 2 às 7h, de segunda a sábado.
Da 0 às 7h, domingo.
Cooperação Jovem Pan/ Pampa – Rede Nacional.

Impacto
Das 7 às 9h, de segunda a sexta-feira.
Debates esportivos comandados por Ricardo Vidarte com a participação da equipe esportiva, torcedores, mais Bem Hur Marchiore, Sadi Schwerdt, Cassiá e, eventualmente, Paulo Sérgio Pinto.

Eco dos Estádios
Das 9 às 11h, de segunda a sexta-feira.
Programa apresentado por Rogério Amaral, com a participação dos repórteres nos estádios e dos torcedores por telefone. Comentário de Fernando Albrecht.

Choque de Ideias
Das 11 às 12h, de segunda a sexta-feira.
Darci Filho comanda debates sobre o dia a dia do futebol. Participação de Roberto Brauner, Rogério Amaral, Ricardo Vidarte e Chicão Tofani.

Show do Meio-dia
Das 12 às 13h, de segunda a sábado.
Notícias, comentários e informações esportivas.

Tribuna do Torcedor
Das 13 às 14h, de segunda a sexta-feira.
Apresentação de Haroldo Santos, com a participação de torcidas organizadas no estúdio e por telefone.

Conexão Pampa
Das 14 às 15h, de segunda a sexta-feira.
Programa apresentado por Ricardo Vidarte, com a participação da tribuna do povo (ouvintes e autoridades) e comentários de Ricardo Orlandini.

Crítica
Das 15 às 16h, de segunda a sexta-feira.
Programa apresentado por Darci Filho, com debates, entrevistas e com o comentário de Fernando Albrecht.

Realidade
Das 16 às 16h30, de segunda a sexta-feira.
Leandro Provedel apresenta este programa com entrevistas e notícias internacionais.

Saúde, Educação e Comportamento
Das 16h30 às 17h, de segunda a sexta-feira.
Das 7 às 8h, domingo.
Alfredo Bergmann realiza entrevistas sobre saúde, educação e comportamento.

Show de Bola
Das 17 às 19h, de segunda a sexta-feira.
Programa apresentado por Roberto Brauner, com a participação do repórter nos estádios com eventual transmissão de treinos.

Anatomia do Futebol
Das 20 às 22h, de segunda a sexta-feira.
Castro Júnior apresenta notícias, entrevistas, informações e a participação do torcedor.

O Terceiro Milênio
Das 7 às 8h, sábados.
Apresentação de Ricardo Orlandini, com entrevistas sobre informática, empresas e empresários.

Sábado de Futebol
Das 8 às 12h, sábado.

Futebol Alegria do Povo e Jornada Esportiva
Das 13 às 18h, sábado.
Das 13 às 19h, domingo.
Programas comandados por Darci Filho. No Futebol Alegria do Povo, são apresentadas as informações mais quentes dos estádios, preparando o ouvinte para a Jornada Esportiva.

Plantão das Multidões
Das 22 à 0h, de segunda a sexta-feira.
Das 18 às 22h, sábado.
Das 19 às 23h, domingo.
Antônio Augusto comanda este programa, com entrevistas e informações para o ouvinte dormir bem informado.

Futebol na Intimidade
Das 22 às 23h, sábado.
Rogério Amaral entrevista personalidades do futebol.

Trajetória Esportiva
Das 23 à 0h, sábado.
Programa conduzido por Darci Filho, que apresenta, em entrevistas, a vida de personalidades do esporte.

Show de Domingo
Das 8 às 12h, domingo.
As mais recentes informações do domingo esportivo com apresentação de Castro Júnior.
Programação da Rádio Pampa AM (final de 1999)
Fonte: RÁDIO PAMPA AM. Programação. Disponível em: <http://www.redepampa.com.br/radiopampa_programacao.htm>. Acesso em: 6 jan. 2000.

A programação da Pampa valoriza a participação do ouvinte, uma característica que, no futuro, a Grenal herda de sua antecessora. Na época, o recurso principal era o telefone, que se constituía mesmo assim, pelo espaço aberto ao longo do programação, em um diferencial frente à concorrência, como explicava então Roberto Brauner à Jamile Dalpiaz, autora da dissertação de mestrado O futebol no rádio de Porto Alegre: um resgate histórico (dos anos 30 à atualidade), defendida em 2002 na Universidade Federal do Rio Grande do Sul:

Além de ser uma rádio que dedica 24 horas do dia para o esporte, a Pampa faz uma interação muito grande com o ouvinte. É a rádio que mais fala com o ouvinte no Brasil. [...] É um desafio muito grande porque a emissora está quebrando alguns parâmetros do rádio. Eu lembro quando a Globo implantou a SporTV. No começo eu achava uma coisa muito estranha, uma televisão dedicada somente ao esporte, bem segmentada. Me perguntava se daria resultado; hoje a SporTV trabalha com as próprias pernas, independente da Globo. Então esta ideia de fazer só esporte está dando certo.


Vinheta cantada da Rádio Pampa (1999)
Fonte: Acervo particular.




Vinhetas da parceria com a Jovem Pan AM, de São Paulo (1999)
Fonte: Acervo particular.

No final de 2002, a Pampa diminui o espaço dedicado ao esporte, alterando, em especial, a sua programação matutina. Em realidade, a emissora de Otávio Dumit Gadret aproveita a saída de Rogério Mendelski da Rádio Gaúcha, então um dos profissionais com maior quantidade de ouvintes do Rio Grande do Sul, para encorpar a sua audiência. Em 2 de dezembro, estreia o Programa Rogério Mendelski, inicialmente transmitido das 7 às 10h e, tempos depois, antecipado para as 6h. Se a postura do jornalista nesta parte da manhã vai ao encontro de preceitos do neoliberalismo econômico, o Programa Beatriz Fagundes, a partir do dia 18 do mesmo mês, faz uma espécie de contraponto nacionalista, posicionando-se mais à esquerda. Em um segundo momento, na linha da socialdemocracia, em 2 de junho de 2003, entra no ar o Programa Adroaldo Streck, aliás cujo titular é figura destacada justamente do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), legenda em que, além de exercer mandatos como deputado federal, foi presidente no Rio Grande do Sul, de 1995 a 1997. A cobertura esportiva, no entanto, mantém-se até 2007.

As alterações na relação da Rede Pampa com a Rede Record, de São Paulo, ligada à Igreja Universal do Reino de Deus vão complicar significativamente este quadro. No dia 12 de março de 2007, o grupo da família Gadret começou a se adaptar à nova realidade provocada pelo rompimento unilateral do contrato existente com a Record, cujo sinal de TV passaria em 1° de junho a ser retransmitido pela TV Guaíba, uma das emissoras de Porto Alegre adquiridas pela rede controlada pelo bispo Edir Macedo.

Comunicada aos funcionários da Pampa nas primeiras horas da manhã daquela segunda, a decisão da empresa controlada pela Igreja Universal do Reino de Deus surpreendeu o mercado gaúcho. No mesmo dia, novo choque abalou ainda mais as redações de Porto Alegre: o jornal Correio do Povo, até então fora das negociações em curso, também estava sendo adquirido pela Record. A investida paulista, portanto, ia além da TV Guaíba e das rádios Guaíba AM e Guaíba FM. Na reviravolta, as informações mais seguras, conforme fontes diversas, isentas ou não, eram relegadas à categoria de boatos. Ao final da segunda-feira, única em termos de abalo na história da comunicação no estado, já 18 ex-funcionários da Pampa haviam assinado suas rescisões de contrato junto ao Sindicato dos Radialistas, entre eles profissionais consagrados como Roberto Brauner, Ricardo Vidarte, Denis Olinto e Renato Marsiglia. Para se ter uma ideia, ficaram ao microfone para dar continuidade à rádio em si apenas cinco apresentadores: Rogério Mendelski, Beatriz Fagundes, Darci Filho, Antônio Augusto e Altair Verzon.

Nas previsões mais otimistas, o número de demitidos no esporte da Pampa chegaria a 20. Nas mais pessimistas, a quase 90. De certo, no mínimo entre 30 e 50 perderam seus empregos. Conforme circulou, o impacto do fim do contrato da Record com o grupo de Otávio Gadret poderia, se mantidas as irradiações esportivas, acarretar, no futuro, o não-pagamento dos encargos trabalhistas no caso de demissões que a empresa já dava como inevitáveis de qualquer maneira.

Da experiência capitaneada por Paulo Sérgio Pinto ficariam alguns momentos de destaque. Talvez o maior deles tenha sido em 2002, durante a Copa do Mundo realizada na Coréia do Sul e no Japão. A Pampa AM foi, então, uma das três emissoras do estado a enviar equipe e irradiar as partidas, disputando a audiência com a Gaúcha e a Guaíba. Ousando um pouco, liderou uma cadeia com cinco dezenas de estações, um feito para uma emissora novata em coberturas deste porte. Do outro lado do mundo, vieram as vitórias do penta. Quatro anos depois, a Pampa estava na Alemanha, cobrindo os erros e acertos da seleção de Parreira. Isto só para citar conquistas gerais, daquelas que não ferem os brios de gremistas ou de colorados.

Naquele dia 12, portanto, o rádio do Rio Grande do Sul ficava menor, com menos possibilidades e opções para profissionais e ouvintes. Na véspera, sem saber de nada, a equipe de esportes da Pampa, nos nove gols narrados por Luiz Magno na vitória do Grêmio por 5 a 4 sobre o São Luiz, comemorou uma grande transmissão, saindo com a certeza de que havia sido uma das melhores tardes de futebol da emissora, uma trajetória retomada pelo grupo de Otávio Gadret, com a Grenal, somente na década seguinte.


Abertura da jornada esportiva da Pampa para São Luiz 4 x 5 Grêmio (11 de março de 2007)
Com apresentação de Darci Filho; narração de Luís Magno; comentários de Renato Marsiglia; reportagens de  Marinho Saldanha e William Lampert; e plantão de Denis Olinto.
Fonte: Acervo de Edu Cesar, do blog Papo de Bola.

A equipe de esportes da Pampa deixou saudades entre os ouvintes daquela época. Na internet, as transmissões da emissora ainda são lembradas ainda mais quando relacionadas a grandes momentos do futebol. É o caso da irradiação da vitória do Grêmio sobre o Náutico, a chamada Batalha dos Aflitos, na final da série B em 2005.

Trecho da jornada esportiva da Pampa para Náutico 0 x 1 Grêmio (26 de novembro de 2005)
Com narração de Roberto Brauner, reportagens de Darci Filho, comentários de Cássia Carpes e plantão de Denis Olinto.
Fonte: Acervo de Edu Cesar, do blog Papo de Bola.

Nenhum comentário:

Postar um comentário