Ivo Serrão Vieira: pioneiro de dois estados
2005
Luiz Artur Ferraretto

Ivo Serrão Vieira (1957)
Fonte: Revista do Globo, Porto Alegre, ano 28, n. 692, p. 52, 15 jun. 1957.

– Alemão, barriga de cachorra velha, desgraçado! Vem cá, Alemão, vem cá! Vem aqui falar com o campeão, vem! Vem cá, Alemão! Olha lá que ele tá com as bochechas que chega a tá tremendo, minha mãe do céu! Vem cá! Vem cá, Alemãozinho. Chega aqui perto! Que cara é essa? Não vai chorar na minha frente, Alemãozinho! Tu não é disso, que eu sei. Não vai chorar, barriga de cachorra velha. Ora, coitadinho do Alemão...

A gargalhada inicial e a voz esganiçada a debochar do corpulento Alemão, o torcedor do Grêmio Foot-ball Porto-alegrense interpretado por Walter Broda, anuncia a presença, ao microfone da PRH-2 – Rádio Farroupilha, da parte colorada, o Negrinho fanático pelo Sport Club Internacional, vivido pelo ex-ator de circo e teatro Ary Marinho, que ninguém conhece por este nome, mas que todos identificam pelo apelido Pinguinho, referência direta ao porte franzino do comediante de um metro e meio de altura. É mais um Drama do Futebol, humorístico de sucesso, em especial, no dia seguinte a um Grenal, daqueles que decidem o Campeonato Gaúcho. Aí, o vencedor tripudia, com gosto, sobre o perdedor para a graça de todos, os que torcem por um ou outro time, os que estão em casa ou no Auditório Associado, na Sete de Setembro, centro de Porto Alegre. Então, o movimento em frente às instalações da emissora começa bem cedo. Horas antes, já chegam pessoas, formando, aos poucos, uma longa fila para obter um dos lugares disponíveis e garantir, assim, a possibilidade de, além de ouvir, ver os dois atores que entram no palco somente às 12h05.

Pinguinho revive o Drama do Futebol (1977)
Entrevista realizada por José Antônio Daudt para o programa Opinião Pública, da Rádio Difusora Porto-alegrense, transmitido em 26 de setembro de 1977.
Fonte: Acervo do Museu de Comunicação Hipólito José da Costa.

Walter Broda e Pinguinho (1957)
Fonte: Diário de Notícias, Porto Alegre, 21 jun. 1957. p. 12.

Um dos mais lembrados humorísticos do rádio porto-alegrense, o Drama do Futebol explora, ao longo dos anos 1950, a dualidade típica do gaúcho: de chimangos e maragatos a, no caso do programa, gremistas e colorados. Na criação, no entanto, está o catarinense Ivo Serrão Vieira, natural de São Francisco do Sul e pioneiro da Rádio Guarujá, de Florianópolis. A ele, o rádio do Rio Grande do Sul deve alguns de seus momentos mais engraçados.

Se em Drama do Futebol o cotidiano urbano constitui-se na principal referência para a comicidade, outra criação de Serrão Vieira explora a vertente inaugurada no centro do país, ainda nos anos 1930, na qual a sala de aula serve de ambiente para situações humorísticas centradas em um aluno problema. É o programa Aula de Dona Rita – depois, rebatizado como Escola de Dona Rita –, com um caráter que seu criador considerava “pedagógico-humorístico”. Um exemplo é este trecho em que a professora enfrenta o aluno-problema Seu Jojó:

– Seu Jojó, fale sobre o Rio Amazonas!

– Rio Amazonas, professora?

– Preste atenção que eu vou dizer uma vez e, depois, o senhor vai repetir: O Rio Amazonas nasce no Peru, atravessa o Brasil, de leste para oeste, e lança-se no Atlântico, através de um vasto estuário, no meio do qual está situada a Ilha de Marajó. Repita!

– O Rio Amazonas nasce de um Peru, atravessa o Brasil de leste para o faroeste e se lança no transatlântico, através do vestuário, no meio do qual está sentada a galinha carijó.



Serrão Vieira e o programa Aula da Dona Rita
Entrevista realizada por Luiz Artur Ferraretto em 10 de agosto de 1999.

Em 1950, Ivo Serrão Vieira transfere-se para a Gaúcha e, em função de Aula de Dona Rita, protagoniza a primeira disputa por direitos autorais da história do rádio do Rio Grande do Sul. Dois anos e meio depois, a justiça vai dar ganho de causa ao produtor, que negocia a continuidade da atração na PRH-2.
Antes, no final dos anos 1940, Serrão Vieira cria outro humorístico que parodia filmes de sucesso ou inventados por ele e apresentados como tal: O Cangaceiro, Otelo e Desdêmona, Romeu e Julieta, Tarzan e o Homem da Calça Frouxa, Voo ao Planeta Marte... De 1948 a 1949, com suas estórias completas, o programa Rádio Comédia vai ao ar nas noites de quarta-feira e, posteriormente, nas de segunda. Por volta de 1953, com o produtor de volta à Farroupilha, ocupa uma faixa do horário noturno, aos sábados. Reveste-se de importância por se constituir em um dos únicos registros sonoros existentes da época. Pelas gravações, pode-se verificar o intenso – e, neste caso específico, habilidoso – recurso ao trocadilho nas produções humorísticas deste autor. Um exemplo aparece no trecho a seguir da versão – “avacalhada”, no dizer de Serrão Vieira – de O Cangaceiro, de Lima Barreto, sucesso internacional do cinema brasileiro, lançado em 1953 pela Companhia Cinematográfica Vera Cruz e premiado no Festival de Cannes. Trata-se da abertura do programa na voz do próprio produtor e dos locutores Euclides Prado e Ronald Pinto:

Locutor 1 –- A Companhia Cinematográfica Ver a Cruz no Cemitério tem o prazer de apresentar...

Locutor 2 – ...a sua maior criação em matéria de pastelão, intitulada...

Locutor 3 – ...O Cangaceiro...

Locutor 1 – Uma vibrante estória de aventuras passada nas catingas nordestinas. E são tantas as catingas que aparecem nesta fita que é bom que você tenha um lenço à mão.

Locutor 2 – A vibrante narrativa de um homem mau que tinha muito de bem. Ou de um homem de bem que tinha muito de mau. E que, apesar de mau, fazia bem. E, apesar de fazer bem, era mau.

Locutor 3 – Esta é a comovente estória de um cangaceiro que ensinava a fazer lenda, de uma professora que ensinava o beabá, de uma rendeira que ensinava a fazer renda e de um boboca que aprendia a namorar.


Rádio Comédia (anos 1950)
Primeira faixa do material que Ivo Serrão Vieira pretendia lançar em CD na década de 1990, o que não chegou a ocorrer.
Fonte: VIEIRA, Ivo Serrão. PRH- 2 – Uma eterna saudade. Porto Alegre, 1999. CD.


Serrão Vieira e o programa Rádio Comédia
Entrevista realizada por Luiz Artur Ferraretto em 10 de agosto de 1999.

A comicidade de Ivo Serrão Vieira vai chegar aos anos 1980 no serviço de Disque-piadas, da então Companhia Rio-grandense de Telecomunicações. Readaptando esquetes antigos e criando novos, o produtor faz, então, centenas de pessoas ligarem a cada dia para o serviço da CRT. Dono de um dos mais antigos estúdios de gravação do Rio Grande do Sul, Serrão Vieira faleceu no dia 26 de novembro de 2001, aos 80 anos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário