Nestor José Gollo, pioneiro do rádio caxiense
2013
Marcell Bocchese
Professor do Centro de Comunicação da Universidade de Caxias do Sul

O protagonismo empresarial da comunicação pelas ondas do rádio em Caxias do Sul é dividido entre grandes personagens. Pessoas que, na segunda metade dos anos 1940, já vislumbravam, em terras serranas, um futuro para o veículo de comunicação mais importante das primeiras décadas do século 20. O rádio, à época, já era um meio de comunicação consolidado nos grandes centros do país. Graças aos esforços de empreendedores como Arnaldo Ballvé (pioneiro também da radiodifusão em outras cidades do interior do estado), Joaquim Pedro Lisboa e Luiz Napolitano, Caxias do Sul já possuía, aos primeiros meses de 1946, uma emissora de rádio, a Rádio Caxias do Sul. Ballvé, Lisboa e Napolitano proporcionavam, assim, condições para que, com muito talento e dedicação, diversos personagens emergentes do rádio pudessem ser ouvidos. Vozeirões que eram irradiados pelo transmissor da pioneira ZYF-3, instalado aos fundos do prédio do Recreio Guarany, na avenida Júlio de Castilhos, 987. Um desses talentos era Nestor José Gollo.

Passados os primeiros meses de atividades no ar, a Rádio Caxias do Sul já necessitava de mais profissionais. Assim, no princípio de agosto de 1946, Nestor Domingos Rizzo, um dos gerentes da emissora, realiza um concurso para angariar novos talentos do microfone. Aprovado por unanimidade entre uns 90 candidatos do Concurso Novas Vozes, o jovem Nestor Gollo, que já atuara nos serviços de alto-falantes da então praça Ruy Barbosa (origem da pioneira ZYF-3), dá início oficialmente a sua carreira que, no futuro, muito contribuirá para o jornalismo caxiense.

Entre ruídos e interferências, baixa qualidade típica das primeiras transmissões de pequenas emissoras de rádio da época, muitos lares de Caxias do Sul passam a sintonizar uma das mais importantes vozes do rádio do interior do Rio Grande do Sul. Gollo, aos 19 anos, dá o pontapé inicial do rádio esportivo na Serra gaúcha, ao criar o Esportes na Onda, no ar desde o final de 1946 e, portanto, o programa mais antigo do gênero no Rio Grande do Sul. Um gol de placa. Formador de opinião e agitador do esporte local, Gollo permaneceu por cerca de uma década à frente do programa, onde dividia o microfone com outra lenda do radiojornalismo caxiense, Dante Baptista Andreis. Foram emblemáticas para o rádio de Caxias do Sul as narrações ao vivo feitas por Gollo do estádio dos Eucaliptos, na capital Porto Alegre, de partidas da Copa do Mundo de 1950. Era o mundo esportivo da cidade, do estado e do país – com grande destaque ao futebol profissional e amador caxiense –, que estava no ar pelas ondas da Rádio Caxias.

Gollo era audiência certa, tanto nas jornadas esportivas, quanto nos momentos de reflexão proporcionados pelo programa Ave Maria, pontualmente irradiado às seis da tarde. Caxias do Sul, cidade de imigração italiana e de presença forte da Igreja Católica, parava em frente do aparelho de rádio que reinava, então, absoluto na maioria das casas e estabelecimentos da cidade.

Nestor Gollo (1952)
Fonte: RODRIGUES, Jimmy. A voz e a palavra: o fluir da vida sob o olhar do cronista. Caxias do Sul: Belas Letras, 2008. p. 228.


Nestor José Gollo lê anúncio para dedicatórias (anos 1940)
Fonte: Acervo da Rádio Caxias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário