1958: o Rio Grande do Sul vai à Copa com a Guaíba
2006
Luiz Artur Ferraretto

Anúncio da Rádio Guaíba (junho de 1958)
Fonte: Folha da Tarde, Porto Alegre, 28 jun. 1958. p. 15.

Oito de junho de 1958, direto do Estádio Rimervallen, em Uddevalla, a voz grave de Mendes Ribeiro anuncia, com uma qualidade de áudio muito superior aos parâmetros da época e ultrapassando a distância de 17.000 km a separar o Norte da Europa do Sul da América Latina:

– Alô, Brasil. Neste momento, está formada a Rede Ipiranga dos Esportes, comandada pelas emissoras brasileiras da Rádio Guaíba, de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, falando diretamente de Uddevalla, na Suécia, local do primeiro encontro do Brasil na Copa do Mundo, frente à Áustria. Emissoras brasileiras da Rádio Guaíba, de Porto Alegre: ondas médias de 720 quilociclos, ZYU-58; ondas curtas de 25 metros, 11.785 quilociclos, ZYU-61; ondas curtas de 49 metros, 5.965 quilociclos, ZYU-60; e, ainda, a emissora da PTT, GXX–22; Rádio Guarujá, de Santa Catarina; e mais de 20 emissoras do Rio Grande do Sul.

Jorge Alberto Mendes Ribeiro e Flávio Alcaraz Gomes na cobertura da Copa do Mundo de 1958 (junho de 1958)
Fonte: Folha da Tarde Esportiva, Porto Alegre, 29 jun. 1958. p. 20.

Nos anos 1950, quando mal se conseguia falar por telefone da capital do Rio Grande do Sul com o Rio de Janeiro ou com São Paulo, ganha relevo o trabalho realizado pela ZYU-58 – Rádio Guaíba, de Porto Alegre, por iniciativa de Flávio Alcaraz Gomes e sob o patrocínio da Ipiranga S.A. Companhia Brasileira de Petróleos, na VI Copa Jules Rimet, o campeonato mundial de futebol realizado em 1958 na Suécia. Como observa Octavio Augusto Vampré, em Raízes e Evolução do Rádio e da TV, até então nenhuma emissora do Rio Grande do Sul tivera “o atrevimento de concorrer, abertamente, com o rádio do centro do país”. É a Postes Télégraphes et Téléphones (PTT), companhia estatal da Suíça, a responsável por tornar possível a irradiação intercontinental, utilizando uma tecnologia até então desconhecida no Brasil: o single side-band (SSB), ou banda lateral única, que seleciona a faixa lateral com menor interferência no ponto de irradiação, suprimindo as demais e gerando, desta maneira, um sinal de melhor qualidade. Da Suécia, na Região Norte da Europa, à sede da PTT, em Berna, no Centro-Oeste do continente, o sinal vai por via telefônica e, de lá até o Brasil, por ondas eletromagnéticas de SSB. Além disto, o sistema montado permite à equipe da Suécia ter retorno do estúdio da Guaíba em Porto Alegre, interligando os profissionais daqui com os que estão lá.

Para que Mendes Ribeiro fale com a clareza do som local, expressão que a Guaíba passa a utilizar tempos depois, valorizando a qualidade das transmissões que coloca no ar, contribui também a atuação do engenheiro Homero Carlos Simon. É ele quem, com o apoio da equipe técnica sob sua direção, retifica ao longo das irradiações a chamada frequência ótima de trabalho, uma exigência do sistema de transmissão em single side-band, que, devido à distância a ser vencida, não é passível de cálculo preciso. A influência da luz solar sobre as ondas eletromagnéticas constitui-se em outro complicador, uma vez que existe uma diferença de fuso horário: é noite na Suécia e meio da tarde no Brasil. Para garantir a qualidade sonora optando sempre pela melhor frequência de operação, a Guaíba tem de utilizar dois canais, como o próprio Simon esclarece então nas páginas do jornal Folha da Tarde:

Enquanto a transmissão se estiver efetuando através de um canal, o outro canal estará sendo ajustado para acompanhar as alterações da ionosfera, visto que a determinação das frequências ótimas de trabalho, no nosso caso, não é passível de cálculo. E, quando o canal em uso começar a apresentar algum defeito, automaticamente a transmissão passará a ser feita através de outro canal; e o canal defeituoso será imediatamente ajustado.

Sob a supervisão do engenheiro são construídas as antenas rômbicas, cuidadosamente apontadas para Berna, necessárias à recepção das emissões da PTT e à geração do sinal de retorno. Há que observar, ainda, o ineditismo da utilização deste tipo de tecnologia à época no Brasil, que dificulta, por inexperiência, as operações e exige apurados conhecimentos eletrônicos.

Como apoio a Jorge Alberto Mendes Ribeiro e Flávio Alcaraz Gomes, a direção da empresa destaca Francisco Antônio Caldas – filho de Breno Caldas – e Manuel Dias, enviado especial do jornal Folha da Tarde. Na Europa, é acertada, ainda, a participação de Otávio Muniz, cronista esportivo paulista com passagens, entre outras, pelas rádios América, Difusora, Panamericana e Tupi. Um exemplo do trabalho realizado por esta equipe aparece descrito na Folha da Tarde de 25 de junho de 1958, dia seguinte à semifinal entre Brasil e França, jogo no qual Mendes Ribeiro cunha uma expressão marcante no restante de sua carreira como narrador esportivo:

Como, no primeiro tempo, o juiz da contenda estivesse envidando esforços para desclassificar a seleção canarinho, Otávio Muniz, ao ocupar o microfone da U-58 para os comentários de meio-tempo, não poupou palavras para condenar a atuação do árbitro. Mendes Ribeiro também condenou tal atuação, com palavras causticantes, expressando seu pensamento numa feliz tirada: “Deus não joga, mas fiscaliza”. E esse comentário veio a propósito da sensacional reação da equipe brasileira, que encerrou o jogo com o marcador em cinco a seu favor, enquanto os franceses conseguiram marcar apenas dois tentos. 
[...] Informando os ouvintes da Guaíba sobre o jogo, pelas semifinais, que se desenvolvia em Gotemburgo, atuou Flávio Gomes, com informações precisas sobre os tentos conquistados por ambos os lados na contenda Suécia x Alemanha, da qual a seleção de casa saiu-se vitoriosa. Além de fornecer informes técnicos sobre o desenrolar da partida, Flávio Gomes narrou, ainda, para os ouvintes da grande Rede Ipiranga dos Esportes, comandada pela Rádio Guaíba, de Porto Alegre, as reações dos franceses que assistiam ao jogo Suécia x Alemanha, para não sofrer em Estocolmo. A voz de Flávio foi vibrante quando informou: “Os franceses choram em Gotemburgo”.

Do estúdio da Guaíba em Porto Alegre, Amir Domingues e Antônio Carlos Porto reproduzem as gravações dos gols e descrevem a repercussão do jogo na capital gaúcha, aproveitando, ainda, o recurso, até então inédito, da transmissão em duas vias para trocar impressões com Mendes Ribeiro sobre o desempenho da Seleção Brasileira. Graças a um sistema de alto-falantes instalado pela equipe técnica da rádio, a população aglomera-se em frente ao prédio da emissora e no Largo dos Medeiros para acompanhar a partida, fato que vinha se repetindo nas demais irradiações, mas que atinge proporções multitudinárias na decisão contra a Suécia no dia 29 de junho, em especial no último minuto da partida, quando Pelé – sabe-se lá por que chamado de Pelê por Mendes – marca o quinto gol brasileiro na vitória por 5 a 2 contra a Suécia.

À transmissão da Guaíba, envolvendo ainda 23 emissoras do interior do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, integrantes da chamada Rede Ipiranga dos Esportes, soma-se o interesse do público pelo futebol, crescente desde a Copa disputada, oito anos antes, em território brasileiro, mas frustrado pela derrota do selecionado nacional. Interesse que chega ao nível, até então, máximo com a conquista do primeiro título mundial, a coincidir com o sucesso da estrutura de irradiação montada pela ZYU-58. Até porque a Gaúcha, concorrente direta em matéria de cobertura esportiva, apenas reproduz o sinal gerado pela Nacional, do Rio de Janeiro, embora a estação carioca tenha aceito integrar Guilherme Sibemberg à sua equipe. A partir daí, e até a melhoria da rede de telecomunicações, equipamentos de single side-band incorporam-se às transmissões de longa distância realizadas pela Guaíba, que, na Europa, passa a contar sempre com o apoio da PTT. Para o público, após a Copa, em 1958, fica a impressão sintetizada numa frase de Flávio Alcaraz Gomes, o artífice da ida de um microfone gaúcho à Suécia:

Foi a vitória do Brasil e a vitória da Guaíba!



Flávio Alcaraz Gomes entrevista Amir Domingues e Jorge Alberto Mendes Ribeiro (4 de maio de 1997)
Trecho do programa Fórum alusivo aos 40 anos da Rádio Guaíba.
Fonte: TV2 GUAÍBA. Fórum. Porto Alegre, 4 maio 1997. Programa de televisão.

Flávio Alcaraz Gomes (8 de dezembro de 2004)
Trecho de entrevista não utilizado no documentário Itinerários de um repórter, realizado pelo Centro de Produção Audiovisual da Universidade Luterana do Brasil.

Fonte: Acervo particular.

Flávio Alcaraz Gomes (6 de janeiro de 2005)
Trecho de entrevista não utilizado no documentário Itinerários de um repórter, realizado pelo Centro de Produção Audiovisual da Universidade Luterana do Brasil.
Fonte: Acervo particular.

Nenhum comentário:

Postar um comentário