03/11/2014
Um pouco de tudo
Todo bom radialista tem alguma história –  ou, na maioria das vezes, estória – para contar. São causos que vão surgindo em conversas, geralmente entre um trabalho e outro. Acabam construindo, desta maneira, uma espécie de trajetória cotidiana de erros e acertos. Babadas, curiosidades e impressões dão a tônica deste canto atemporal do blog.  

Nos "anos de chumbo": as calcinhas subversivas
Collor, Lula, FHC: nos jingles, as esperanças da redemocratização
A Gaúcha, a Guaíba e as grandes conquistas do futebol gaúcho nos anos 1970 e 1980, por Bruno Pancot
Alguns causos de Armindo Antônio Ranzolin e Lauro Quadros
Afinal, existe uma época de ouro do rádio?
Otília, Suê e o rapaz que via empresas, logotipos, adversários
Os operadores de rádio do Rio Grande do Sul
Uma do Carlos Miguel, uma contra ele e outra que não tem nada a ver
O bordão dos cronistas esportivos
O romance de uma empregadinha e um final feliz
Moretto, Luciano e Marquinhos, chefes da redação da Gaúcha
O bordão nosso de cada dia
A precisão do noticiário
O jornal Microfone, última publicação especializada em rádio no Rio Grande do Sul
O rádio e o consultório de Breno Futuro
“De Washington, Luiz Amaral”
Rochinha e o trabalho em equipe
O Celso e o trabalho em equipe
Duas (sensacionais) do Carlos Nobre
De surpresas e desarranjos
Duas de chuva e uma de oração
Dois atos falhos e um trote
O número zero do jornal Microfone
Humor britânico, Marcos Piangers e Tulio Milman
Quando "seu" Holmes ainda não era "seu" Holmes
"De ordem superior, ficam proibidas nóticias sobre..."
Rubens Santos transformava qualquer programa de rádio em boemia 
Rubens Santos e o rádio de Porto Alegre em meados dos anos 1950 
O rádio, a política e os radialistas-candidatos 
Coisas do rádio de outros tempos
Os gaúchos no rádio do centro do país dos anos 1950

Nenhum comentário:

Postar um comentário